….sociedade convive com abusos mas se comove com imagens….

É o caso de se perguntar: para a garantia dos direitos, ao invés de pregar o respeito à Constituição, teremos de recorrer ao Wikileaks?

As cenas da escrivã sendo despida à força por policiais da Corregedoria em São Paulo suscitaram uma enorme perplexidade.

Muitos se perguntaram: se a polícia faz isso com os próprios policiais, o que não fará com o cidadão comum?

A dúvida do governador Geraldo Alckmin foi outra: como um vídeo oficial da ação policial se tornou público?

O governador se comportou no episódio mais ou menos como o marido que ciente da traição da esposa no sofá da sala, decide vender o móvel.

Mas talvez valha a pena se questionar o que teria acontecido se as imagens jamais chegassem ao YouTube.

O inquérito que apurava eventual abuso de autoridade foi arquivado, a pedido da promotoria. O MP entendeu, que apesar de ter havido “um pouco de excesso na hora da retirada da calça da escrivã”, não havia no ato qualquer intuito libidinoso e isso bastou para isentá-los.

No âmbito disciplinar, os policiais chegaram a ser chamados de corajosos e destemidos.

Depois que o vídeo veio à tona, no entanto, tudo mudou.

Promotores do grupo de controle externo da polícia criticaram fortemente a ação. Os policiais foram afastados e a corregedora-geral perdeu seu cargo de confiança.

A mudança de comportamento não destoa, em verdade, de como a própria sociedade encara os excessos da repressão.

A violência policial está longe de ser uma novidade entre nós. Mas só quando ela nos é mostrada sem pudores, com imagens em relação às quais não se pode fechar os olhos, é que desperta indignação.

Longe dos olhos, longe do coração.

A edição da lei da tortura foi um nítido exemplo da importância das imagens furtivas.

O Brasil era signatário há anos de um tratado no qual se obrigava a reprimir o abuso de agentes públicos, mas as reivindicações para a tipificação do crime não sensibilizavam os parlamentares.

A lei só foi proposta, e aprovada em curtíssimo prazo, quando as cenas da violência policial na Favela Naval, filmadas por um cinegrafista oculto, foram mostradas em rede nacional.

A tortura não nos era desconhecida – apenas suportável quando não éramos obrigados a encará-la de frente.

A situação precaríssima dos encarcerados no país não é lá muito diferente.

É preciso uma rebelião daquelas em que cabeças são cortadas, ou fotos de corpos presos empilhados em contêineres, para que comecemos a supor que, afinal, alguma coisa está fora da ordem.

Analisando as atrocidades que tem visto em inúmeras inspeções carcerárias país afora, um juiz auxiliar do Conselho Nacional de Justiça chegou à conclusão que a sociedade tolera as graves violações porque, no fundo, acredita que o criminoso mereça vingança.

Faz sentido.

A opinião de que precisamos de mais repressão, mais pena, mais prisões e menos direitos, é persistente na sociedade. E as críticas aos abusos da punição são bem mais esporádicas.

Mesmo que já estejamos na faixa do meio milhão de presos, sem contar os adolescentes infratores, continuamos a clamar que o Brasil é o celeiro da impunidade, e pedir por mais e mais cadeia.

Quem se opõe a isso e luta pela preservação de garantias fundamentais é taxado de defensor dos “direitos humanos para bandidos”. A ojeriza à utilização dos instrumentos de defesa, como a recente crucificação do habeas corpus, faz com que todo advogado seja considerado um pouco criminoso.

Enquanto isso, as punições por tortura, como se sabe, são irrisórias.

O receio de denunciar, a desconfiança dos operadores do direito, a necessidade de preservar como legítimas provas obtidas de forma ilícita, tudo isso vitamina a enorme cifra negra da tortura.

Mas não é só.

A ânsia de punir, a comoção causada pela contínua exploração midiática dos crimes e a demagogia dos parlamentares que a cada vítima famosa propõem novas leis, acaba por moldar nossa forma de tratar o crime. Com o máximo de espetáculo e o mínimo de limites para a repressão.

Tudo isso vai bem, até que as duras imagens nos cheguem, de alguma forma, contrabandeadas da realidade.

Quando se vê, a barbaridade das consequências enfim nos assusta e nos comove.

Talvez por isso o governador tenha se preocupado tanto com o vazamento do vídeo.

Mas aí seria o caso de se perguntar: para a garantia dos direitos, ao invés de pregar o respeito à Constituição, teremos de recorrer ao Wikileaks?

Siga @marcelo_semer no Twitter

[conheça as colunas do blogueiro no Terra Magazine]

2 Comentários sobre ….sociedade convive com abusos mas se comove com imagens….

  1. Anônimo 3 de março de 2011 - 01:39 #

    Desculpe se comento. Não devia, porque meu comentário é um nada perto da lucidez do texto.
    Mas é mais ou menos do modo que insisto. O poder julga palavras. Letras escritas. Um inquérito, os depoimentos, as pericias, etc e que sempre são narrados mais ou menos do mesmo modo. Foi assim que o ministério público propos o arquivamento. Depois de ler letras, palavras escritas.
    A narrativa é dramatizada do modo e interesse de quem escreve. O escrivão é um cronista e com suas letras constroi a interpretação e a valoração, como observador. Constroe-se uma ilusão.
    Veja bem. São mundos diferentes.
    Letras e imagens. Uma peça literária.
    O probelama aparece quando as imagens não passam a corresponder a escrita. O que é simbolico, com as imagens e o som passam a ser real. E a realidade é o bicho. Balança o cimento da ordem. Como se diz: de repente, à luz do dia, um rio inesperado começa a correr, bem na nossa frente, onde o cimento firme da ordem pensara sempre estar irremovivelmente plantado. Um abraço ( C Sidney)

  2. Anônimo 5 de março de 2011 - 17:35 #

    Sim, precisamos de muito Wiki leaks, para que tudo que está oculto seja revelado… Tenho certeza que se o povo brasileiro tivesse acesso a vídeos de uma sessão de tortura conduzida pelos nossos agentes da repressão nos anos de chumbo da "ditabranda" , muita gente pararia de falar besteira e entenderia que anistiar TORTURADOR não faz nenhum sentido, nem legal nem moralmente falando… Mas como disse bem o comentarista Sidney , é que a justiça , na maior parte das vezes analisa palavras, papéis, laudos periciais… ( o IML de São Paulo produzia laudos "provando" o suicídio com tiro pelas costas, ou na parte posterior da cabeça….assinado por legista de "renome"..) Bem vindo Weak Leaks
    Lais

Deixe uma resposta