….o bilheteiro fanho do cinema gay….

Rir de uma testemunha, no meio da audiência, era o mico que mais temia pagar

O bilheteiro fanho do cinema gay

Da última vez, tinha sido com dona Yoko.

Eu estava desatento, despachava processos que ficavam em cima da mesa, aproveitando cada instante dos pequenos intervalos entre as audiências. Só depois que a escrevente tinha colocado todas as partes sentadas, foi que peguei a pauta para conferir o nome da primeira testemunha.

-Então…. dona. .. dona.. Yoko…Okada.

E não consegui segurar o riso. Saiu uma gargalhada daquelas tão involuntárias quanto incontroláveis. Dona Yoko levou na esportiva. Como admitiu, resignada, estava acostumada às gozações que as armadilhas da cacofonia lhe preparavam. Mas para mim, rir de uma testemunha na frente de todos era um daqueles micos que mais temia pagar em uma audiência.

A memória do vexame e o aprendizado do autocontrole foram me poupando, com o tempo, de situações assim constrangedoras.

Mas quando o bilheteiro fanho do cinema gay começou a falar, anos depois, percebi que todo meu esforço fora inútil. Duas décadas de experiência, técnicas de respiração, atenção redobrada ao processo no momento mais crítico. Nada disso funcionou diante daquela voz extraordinariamente anasalada que nos pegou de surpresa logo na primeira resposta.

Respeito, consideração às diferenças, seriedade e profissionalismo. Tudo ruiu em menos de um minuto depois do grunhido quase ininteligível que a testemunha soltou na sala. E quanto mais eu olhava para os outros na mesa, na vã expectativa de me acalmar, mais diminuía a concentração.

Foi um pouco por isso, a consciência pesada de perder as estribeiras, rindo do defeito alheio como um aluno de colégio, que me impediu de censurar o próprio bilheteiro cada vez que ele se referia, da forma mais espontânea e ao mesmo tempo vulgar, à vítima do roubo que havia testemunhado em seu cinema:

-Foi aí, então, que o viado entrou no banheiro….e depois que o viado entrou, foi lá o ladrão atrás dele, do viado… e quando o rapaz saiu, o viado ainda ficou…

Na quarta ou quinta vez, quando a coisa já começava a se transformar em constrangimento, o bilheteiro, sagaz, emendou em seu próprio benefício:

-Viado é modo de dizer, né doutor? -autorizando que todos ríssemos sem culpa.

A essa altura, ele já se sentia o dono do processo, o centro das atenções.

Na berlinda, um envergonhado comerciante paranaense que fora preso instantes depois de fugir do cinema e encontrado uma quadra de distância, na posse da arma de fogo.

O único cubículo fechado do banheiro masculino foi o local do crime.

Iludida, a vítima viu a promessa de um prazer efêmero e reservado se transformar em confusão e violência. Quando o réu lhe mostrou a pistola, não era nenhuma metáfora. Era uma ordem para que entregasse seu relógio, seu celular e sua carteira.

A vítima mostrou, então, que ser homossexual não resultava em nenhuma fraqueza. Desviou corajosamente a arma dando um golpe na mão do agressor e gritou por socorro. Foi nesse momento que o bilheteiro ouviu o disparo e ganhou o corredor, ainda a tempo de ver o réu, assustado com a reação, fugindo para a rua.

-É esse mesmo, doutor. Eu tenho certeza total –disse o bilheteiro com ar triunfante, na sessão de reconhecimento.

E quando caminhávamos de volta à sala de audiências, convicto do dever cumprido, ele fez questão de acrescentar que o seu cinema era, ao invés do que podia parecer à primeira vista, um lugar muitíssimo bem freqüentado.

-Tem polícia que vai lá, doutor…. Delegado e tudo…. Até promotor frequenta…

E antes que eu tivesse chance de estancar a fanfarronice de suas inconfidências, arrematou rapidamente com ar matreiro:

-Juiz não. Juiz eu nunca vi…

Conheça outras Crônicas do Crime:

Os olhos da morte

Roubar para morrer

A sombra dos dentes

Duas vezes Bianca

7 Comentários sobre ….o bilheteiro fanho do cinema gay….

  1. Gustavo 14 de setembro de 2011 - 01:48 #

    Muito boa….sujeito faceiro este bilheteiro.

  2. Eduardo E. S. Prado 14 de setembro de 2011 - 03:20 #

    …faceiro e matreiro, autêntico. Muito bom!

    Eu, infelizmente, sou daqueles que até tentam, mas nem sempre conseguem segurar um riso na hora errada. Tenho pavor de enfrentar situações assim.

  3. Fabrício Franco 15 de setembro de 2011 - 15:17 #

    Gostei demais do que li. Um outro lado da contenda judicial que vemos todos os dias na mídia. Parabéns!

  4. P. G. 15 de setembro de 2011 - 15:53 #

    Muito bom Marcelo! Confesso que ri do início ao fim do texto como se estivesse na sala de audiência.
    Beijo Grande

  5. Anônimo 15 de setembro de 2011 - 19:18 #

    Absurdamente bom!! Abraço, Dr.!
    Fabiana de Oliveira

  6. Felipe Uliano 19 de setembro de 2011 - 23:19 #

    Excelente!!!!!
    Parabéns!
    Blog de visitação diária indispensável!

  7. Anônimo 17 de outubro de 2011 - 05:29 #

    Já aconteceu isso comigo. Meu Deus como é difícil segurar um simples riso, tive que pedir licença da sala de audiências.

Deixe uma resposta